{Amazônia} Conhecendo a Amazônia (Brasil- Fev. 2015)

Por Érica Catarina Pontes
OBS.: Sou Fotógrafa e Viajante, não sou blogueira de viagem, nem tenho vínculo com nenhum local de hospedagem ou transporte, portanto o texto abaixo é o meu ponto de vista sobre o que pesquisei para viagem, nesta ocasião, Ok ?!?! 🙂

Viajar pra Amazônia sempre foi meu sonho desde antes da faculdade de biologia que só aumentou depois que a fotografia entrou em minha vida ( e o filme Amazônia ajudou a intensificar…rs), mas achava impossível, pois a única coisa que escutava as pessoas falarem era “muito caro, não vale a pena por um destino nacional”… Não vale a pena por um destino nacional ?!??!!? Fala sério!!!! Cada um tem seu sonho, e uma coisa é certa não menospreze um destino nacional, o Brasil tem lugares incríveis, deveríamos nos orgulhar, concordo que os preços de passagens muitas vezes são absurdos e desanimam, mas se tem uma coisa que aprendi nesta viagem foi que pesquisando e se programando com antecedência, tem como achar passagem aérea para viajar o Brasil com preços bem honestos. Eu comecei a procurar passagem por volta de Setembro/Outubro de 2014 para viajar em Fevereiro de 2015 (em cima da hora e em feriados não se acha nada barato mesmo meu povo!).  Depois que defini qual seria o período que poderia ficar fora, comecei minhas pesquisas pela internet…

Podemos dizer que a Amazônia (Brasil) é um “país”, grande, enorme, cheio de rios por todos os lados, habitado por pessoas simples porém com muito conhecimento…  Para entender um pouco mais o que seria a região Amazônica brasileira, vou incluir aqui uma pequena consulta a Wikipédia* A Amazônia representa mais da metade das florestas tropicais remanescentes no planeta e compreende a maior biodiversidade em uma floresta tropical no mundo. É um dos seis grandes biomas brasileiros. No Brasil, para efeitos de governo e economia, a Amazônia é delimitada por uma área chamada “Amazônia Legal” definida a partir da criação da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM), em 1966. É chamado também de Amazônia o bioma que, no Brasil, ocupa 49,29% do território e abrange três das cinco divisões regionais do país (Norte, Nordeste e Centro-Oeste), sendo o maior bioma terrestre do país. Uma área de seis milhões de hectares no centro de sua bacia hidrográfica, incluindo o Parque Nacional do Jaú, foi considerada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, em 2000 (com extensão em 2003), Patrimônio da Humanidade.

AMZ

Olhando o mapa, tem território Amazônico que não acaba mais e seria impossível percorrer tudo isto de uma vez, então para esta primeira “empreitada amazônica” me concentrei no Estado do Amazonas e do Pará, e mesmo assim não conheci nem 1/3, preciso de muitas idas para conseguir percorrer mais lugares. Planejamento de Viagem

1- Passagens – Primeira coisa, comprar passagem em cima da hora não rola, a não ser que você tenha muito dinheiro pra jogar fora ou muitas milhas aéreas para utilizar, como eu não tinha nem um nem outro, procurei antecipadamente cada trecho. A princípio eu iria somente para o Amazonas mas depois resolvi estender até o Pará então acabei não usando a passagem de volta que teria de Manaus, preferi perder e aproveitar mais o tempo que tinha disponível. Sendo assim comprei os seguintes trechos… 

– São Paulo x Manaus – R$ 366,00 (promoção Gol, ida e volta) – Tive que comprar ida e volta pois não vendia separado e no fim acabei estendendo mais a viagem e deixei a volta de Manaus pra lá… 
– Santarém x Belém – Também aproveitei uma promoção da Gol e utilizei minhas milhas assim só paguei a taxa de embarque de R$ 16,00
– Belém x São Paulo – A Tam tem uns voos que saem de madrugada e acabam ficando mais baratos por conta disso, paguei R$ 221,00. WP_20150107_001

2- O que levar – Algumas coisas eu preferi já levar de casa pra não passar “perrengue” no meio da viagem…
– Não sei se existe alguma outra vacina que seja importante tomar antes, mas só tomei a da febre amarela;
– Para os prevenidos, vale a pena levar uma “farmacinha”, nunca se sabe quando pode precisar e se estiver embarcado por exemplo, é bom ter seus próprios remédios pra te salvar.  Repelente, levei vários, mas enquanto estava próximo ao Rio Negro mal usei, a acidez da água impede que os mosquitos se proliferem, fui usar quando percorri o rio Amazonas pra frente, mas isto conto depois mais detalhadamente;
– Mochilão, levei um principal de 60 lts com as roupas e um tripé (que pesou depois viu, desejei ter um carregador de malas… ahahaha) e mais outra mochila pequena de 22 lts com os equipamentos fotográficos e etc;

– Quanto as roupas, roupa de calor, mas pelo menos uma blusa pra sobreviver ao ar condicionado de alguns lugares é bom levar. Para caminhada na floresta é importante ir de tênis e calça, as formigas na Amazônia são impressionantes e algumas pessoas só descobrem que tem alergia depois de já serem picadas, então melhor não vacilar, sapato fechado e calça fazem a diferença. Chapéu tipo de pescador era uma coisa que eu achava horrível, até pegar um sol de 40 graus derretendo meus miolos no interior de Manaus e começar a achar ele lindo! ahahahahaha.

O norte do país é quente a umidade do ar é alta e a gente fica suando o tempo todo…. Peguei alguns dias de temperatura amena por conta das chuvas, mas só na região do Pará. “A temperatura média anual fica entre 26 e 27 graus Celsius, com diferenças sazonais de apenas + ou – 1 grau,em que o período da estiagem é mais quente que o das chuvas. No decorrer do dia, entretanto, a amplitude térmica pode ultrapassar 10oC. A umidade relativa do ar é sempre muito elevada, podendo alcançar 100% de saturação durante a noite.” (Fonte: Museu Goeldi)

Eu além da mochila de roupas ainda tinha os equipamentos de fotografia para levar, ordenando tudo em cima da cama para arrumar, ficou mais ou menos isso... rs
Eu além da mochila de roupas ainda tinha os equipamentos de fotografia para levar, ordenando tudo em cima da cama para arrumar, ficou mais ou menos isso… rs

3- Hospedagem – Tentei fazer a maioria das pesquisas pela internet e já reservar alguns lugares, outros deixei pra ver na hora mesmo, escreverei mais sobre cada hospedagem depois nos capítulos dos lugares que percorri. A princípio eu tinha cogitado a ideia de ir para um “hotel de selva”, pesquisei bastante e vi que tem alguns mais baratos com diárias de R$ 150,00 por pessoa e tem os mais absurdos com diárias de R$ 1.000,00 por pessoa (todos com os passeios e alimentação incluídas), MAS aconselho hotel de selva para quem tem pouco tempo de viagem e não pode se locomover de um local pro outro, pra mim como fotógrafa não valeria a pena pagar uma diária cara pra fazer os passeios com horários marcados e apenas no perímetro do hotel, quando vi que tudo tinha horário definido e eu não poderia mudar já desisti, preciso da liberdade de ir e vir a hora que eu achar que a luz é boa pra fotografar e que eu estou disposta… ahahaha (O único hotel que tem pacote para fotógrafos é o da Pousada Uakari que fica na Reserva Mamirauá em Tefé, no coração da Amazônia; o pacote custa caro mas tem flexibilidade de acordo com o que cada fotógrafo quer registrar…)

Dentro do que eu poderia definir antecipadamente fiz meu roteiro, já sabendo as datas de ida e volta e irei dividi-los em posts separados porque são muitas “emoções” pra compartilhar… rsrs

Parte 1 – Amazonas – Manaus/ Novo Airão  – Clique AQUI
Parte 2 – Barco do Amazonas (Manaus) para o Pará (Santarém)
 – Clique AQUI
Parte 3 – Pará – Santarém/ Alter do Chão – Clique AQUI
Parte 4 – Pará – Belém / Ilha de Algodoal – Clique AQUI

Para ver mais Fotos na Fanpage Clique AQUI e AQUI 🙂

Quem sou: Érica Catarina Pontes | Fotógrafa
Onde estou: Guarulhos – SP
Conheça meu trabalho www.ericatarina.com.br

ERI_0335

Anúncios