{Amazônia} Parte 1 – Manaus e Novo Airão (Amazonas)

Por Érica Catarina Pontes
OBS.: Sou Fotógrafa e Viajante, não sou blogueira de viagem, nem tenho vínculo com nenhum local de hospedagem ou transporte, portanto o texto abaixo é o meu ponto de vista sobre o que vi, vivi e senti nesta viagem, nesta ocasião, Ok ?!?! 🙂

Valores Referentes à Fevereiro de 2015

MANAUS

Pela primeira vez viajei exatamente no dia do meu aniversário (me dei de presente…rs), foi ótimo, diferente, passei longe mas fazendo o que gosto que é viajar e fotografar. Peguei um voo direto de São Paulo para Manaus, foi tudo tão rápido que nem percebi as mais de 3 horas que se passaram… Agora vamos aos detalhes sobre a cidade enorme que é Manaus…

Dia de aniversário no Local Hostel... :)
Dia de aniversário no Local Hostel… 🙂

Onde Ficar: Quando viajo sozinha eu sempre prefiro ficar em hostel, primeiro pelo valor e segundo que fica mais fácil de fazer novos amigos. Em Manaus fiquei hospedada no Local Hostel que fica a poucos passos do Teatro Amazonas, o atendimento, limpeza e localização são excelentes e da pra fazer as reservas pelo site deles o que já facilita muito a vida. O hostel também possui armários para deixar a mala maior enquanto estiver em outra localidade, no meu caso fui pra Novo Airão com uma mochila menor e depois voltei para o mesmo hostel. Perfeito!

Local Hostel Manaus – R$ 46,00 (Quarto Coletivo Feminino/ Fev. 2015)
Site: http://www.localhostel.com.br/

10590638_1066647250018057_3595587808518902321_n
Novos amigos no Local Hostel…

Onde Comer: Perto do Hostel tem várias opções de restaurantes, eu particularmente achei as coisas em Manaus caras, talvez por ser o principal centro turístico, não sei, sei que para quem viaja sozinha e come pouco é difícil achar algo barato por lá. O Tambaqui de banda é maravilhoso, mas caro ! rs 

Em Manaus tem rede de fast food com comida regional, achei isso fantástico !
Em Manaus tem rede de fast food com comida regional, achei isso fantástico !

O que Fazer: Manaus é uma cidade enorme, e tudo que se vai fazer tem que pegar, taxi, barco ou ônibus… e isto pra quem já mora em cidade grande é bem cansativo, então optei em usar as grandes cidades mais como ponto de chegada e partida (de Manaus fui para Novo Airão depois de barco para Santarém), permanecendo pouco tempo nos grande centros. O pouco que fiquei pude passear um pouco…

* Teatro Amazonas Uma volta ao tempo, o teatro esta em ótimo estado de conservação, vale a visita.
Visita Guiada: R$ 20,00 (Fev./2015)

 * Bosque da Ciência – INPA
O Bosque da Ciência que é uma área de aproximadamente 13 (treze) hectares, localizado no perímetro urbano da cidade de Manaus na zona central – leste. Projetado e estruturado para fomentar e promover o desenvolvimento do programa de Difusão Científica e de Educação Ambiental do INPA, ao mesmo tempo preservando os aspectos da biodiversidade existente no local. http://bosque.inpa.gov.br/  Entrada: R$ 5,00

 * Praia de Tupé
Os barcos saem da Marina do Davi que fica em Ponta Negra, depois do hotel Tropical. A marina é utilizada como um terminal portuário de lanchas que fazem o transporte de passageiros para diversas comunidades próximas a Manaus, assim como um terminal de ônibus de linha. A paisagem do lugar não é bonita, achei tudo bem sujo, mas como só serve de ponto de partida, ok, entramos no barco e fomos para bem longe dali ! 😉

            Barco até Tupé: R$30,00 ida e volta (Fev. 2015)

A tal da "Marina do Davi", definitivamente não é bonita, nem limpa... rs
A tal da “Marina do Davi”, definitivamente não é bonita, nem limpa… rsrsrs

A praia é linda, mas não tem muita opção de comida, se você for esperto leve o que comer para passar o dia, ou compre seu almoço na barraca que vende o tambaqui e outros peixes, que pra variar não era barato… rs

Foto: Érica Catarina Pontes

CURIOSIDADE: As águas do Rio Negro são “tingidas” por ácidos liberados nos processos de decomposição de sedimentos orgânicos – que é o que não falta na floresta. Ao longo de seus 1 700 quilômetros, o Negro recebe naturalmente uma grande quantidade de restos de folhas, arbustos e troncos. No leito do rio, esses sedimentos são dissolvidos e decompostos. Nesse processo, ocorre a liberação de ácidos que dão à água aquela cor de chá. Esta acidez da água impede a proliferação de mosquitos.

Água cor de chá matte
Água cor de chá matte

NOVO AIRÃO

Encontrei uma certa dificuldade em achar dicas sobre Novo Airão, decidi ir pra lá por conta do Parque Nacional de Anavilhanas (um enorme arquipélago fluvial) que fica bem na frente da cidade, mas descobri que tem dois super hotéis de selva ali bem próximos e a maioria das pessoas já vai direto pra eles, então restam poucos lugares de hospedagem na cidade mesmo. Outra coisa que me fez ir pra lá foi o Flutuante dos Botos que é regulado pelo ICMBio e tem regras um pouco mais rígidas do que que o passeio com os botos que é oferecido em Manaus.

mapserv

Foto: Érica Catarina Pontes
Novo Airão – Amazonas

Como Chegar: Aqui começou minha “Aventura nos transportes pela Amazônica”… hahahahaha Como chegar em Novo Airão ?!?!? Pesquisei na internet e descobri que o ônibus pra lá é super demorado, pois para em várias cidades e além disso tem pouquíssimos horários, porém existem os “taxis coletivos” que saem do início da Ponte do Rio Negro e vão direto pra Novo Airão, muito melhor !

Para chegar até a Ponte do Rio Negro já fiz um pequeno tour de ônibus em Manaus (ainda bem que deixei a mochila maior no hostel), de coletivo do centro até lá, demora! Rs. Chegando no início da Ponte tem um ponto de taxi, é só chegar e esperar o horário do taxista sair (não tem horário fixo) com ou sem o carro lotado. Eles deixam você na porta da pousada (a cidade é pequena). Na volta também utilizei o taxi coletivo, só tinha eu e mais uma pessoa, mas no meio do caminho subiu mais gente, na volta eles param no mesmo local, no início da ponte do rio negro.

Taxi Coletivo na Subida da Ponte do Rio Negro: R$ 50,00 

Onde Ficar: Difícil achar lugar pra ficar via internet, encontrei algumas dicas e acabei ligando na Pousada Cabocla, a melhor escolha, hospedagem simples, limpa e super honesta, o único porém é que não tem café da manhã, mas na rua do lado tem as casinhas que fazem um café regional bem bom e baratinho, gastei R$6,00 por dia, comendo bem.

Pousada Cabocla: R$ 50,00 a diária sem café da manhã (Fev. 2015) – R. Rui Barbosa,52 – Centro – Novo Airão. Não tem site, é só ligar e reservar (92) 3365-1380

Foto: Érica Catarina Pontes
Frente da Pousada Cabocla

Onde Comer: A cidade é bem pequena e tem boas opções de alimentação desde o café da manhã até a janta, os preços são bons, nada de preço para turistas, adorei isto.

Foto: Érica Catarina Pontes
Auto Posto e Loja de Conveniência em frente a praia de Novo Airão

O que Fazer: A cidade em si não tem muita coisa, dá pra fazer tudo a pé pois é tudo muito próximo. As principais atrações são os passeios de barco e a visita ao flutuante dos botos, então 2 dias de hospedagem foram mais que suficientes.

Amanhecer em Novo Airão
06AM – Amanhecer em Novo Airão

* Parque Nacional de Anavilhanas
O Parque de Anavilhanas é um grande arquipélago fluvial, para chegar é necessário alugar um barquinho ali na praia de Novo Airão, os valores são cobrados por hora, mas se estiver com mais pessoas fica um valor acessível, eu estava sozinha e acabei negociando para conseguir ficar um pouco mais de tempo navegando… Da praia de Novo Airão até la é bem rápido (fica na frente da praia de Novo Airão), mas o Arquipélago tem mais de 400 ilhas, portanto teríamos que navegar por dias para conhecer tudo, mas fiquei bem contente em conhecer uma pequena parte dele. Normalmente o valor do barco sai em torno de R$ 80,00 a hora se tiver mais gente junto da pra dividir e fica menos pesado.

No site do ICMBio tem um Guia do Visitante que me ajudou muito http://www.icmbio.gov.br/parnaanavilhanas/guia-do-visitante.html

Foto: Érica Catarina Pontes

Foto: Érica Catarina Pontes
Igapó – É um tipo de vegetação característico da Floresta Amazônica. Situa-se em terrenos baixos, próximos a rios e que são frequentemente inundados. Como consequência, a vegetação se adapta a esses alagamentos costumeiros e também a ilha das três que fica mais inundada

Foto: Érica Catarina Pontes
* Interação com os Botos Vermelhos
No Flutuante dos botos antigamente morava a família de Marilza Medeiros, que tinha por hábito dar peixe aos botos que passavam, com o tempo os bichinhos ficaram dóceis e passaram a interagir com a família. O lugar ficou famoso e foi construído o flutuante, os botos vivem soltos no rio, não há nenhum cercado, eles aparecem lá só para se alimentar, mesmo. Muitos são habituês, conhecidos pelos nomes.

Havendo ou não visitantes, a alimentação aos botos é feita diariamente, em oito horários: 9h, 10h, 11h, 12h, 14h, 15h, 16h e 17h (regulada pelo ICMBio) e o valor da entrada é de R$ 15,00 para conservação do lugar… Vale a Pena !

Foto: Érica Catarina Pontes

Foto: Érica Catarina Pontes
Os botos ficam livres…
Foto: Érica Catarina Pontes
Brincando entre eles…

Próximo Post  – Parte 2 – Barco do Amazonas (Manaus) para o Pará (Santarém) – Clique AQUI

Quem Sou: Érica Catarina Pontes – Fotógrafa
Onde fiz estas fotos: Manaus e Novo Airão – Amazonas
Onde estou: Guarulhos – SP
Meu trabalho: www.ericatarina.com.br

Anúncios