{Amazônia} Parte 2 – Barco de Manaus (Amazonas) para Santarém (Pará)

Por Érica Catarina Pontes
OBS.: Sou Fotógrafa e Viajante, não sou blogueira de viagem, nem tenho vínculo com nenhum local de hospedagem ou transporte, portanto o texto abaixo é o meu ponto de vista sobre o que vi, vivi e senti nesta viagem, nesta ocasião, Ok ?!?! 🙂

Valores Referentes à Fevereiro de 2015

Barco de Manaus (Amazonas) para Santarém (Pará)

Separei este post dos outros porque o barco regional é uma aventura a parte… Diria que é uma aventura e tanto! Ahahahaha

Os barcos regionais para Santarém (Pará) saem 1 vez ao dia e cada dia da semana é um diferente, no meu caso fui em uma terça, peguei o barco São Bartolomeu III, é enorme, tem 3 andares. O barco sairia as 11h00 mas descobri que as pessoas chegam super cedo para amarrar a rede no lugar que querem, o horário que cheguei às 09h30 da manhã já não havia mais espaços para rede no primeiro nem no segundo andar que tem ar condicionado (a pessoa que me vendeu a passagem achou que isto não existia), me restou o último andar com uma bela brisa do rio… rs, melhor assim, tinha mais espaço e nos andares com ar condicionado fica tão lotado que o cheiro não é muito agradável.

Valor: R$ 80,00 (passagem de barco e translado do hostel até o porto) Fev./2015

Os preços variam de acordo com o barco, o que peguei era 80,00 mas o que saia no dia seguinte era 120,00, então não tem um valor certo, também tem a opção de comprar a passagem direto no porto, ali é uma “feira”, cada um fala um preço e achei até por R$ 65,00, mas como eu teria que pegar um taxi do hostel até o porto não compensava.

Foto: Érica Catarina Pontes

O Porto de onde saem estes barcos é Flutuante (como tudo nesta terra…rs), e lotado de barcos encostados, gente vendendo coisas (todo tipo de coisas…rs) a hora que desci a escada e cheguei nele parecia outro planeta, algo parecido com uma feira flutuante!!! ahahahaha Infelizmente eu não tinha “mãos” para fotografar e carregar 2 mochilas, rede e etc… Não sei nem como consegui subir 3 andares de escadas inclinadas.

Foto: Érica Catarina Pontes
Atracados no Porto Flutuante em Manaus

O horário de partida era as 11h00, mas o barco saiu somente as 12h00, neste meio tempo sobem todos os tipos de vendedores oferecendo tudo que imaginar, comida, capa de celular, corda pra amarrar a rede… Ah, a rede, ou vc leva a sua ou compra uma em Manaus, tem de todos os preços e também tem que comprar os pedaços de corda pra amarrar, eu paguei em tudo R$ 30,00, a rede era bem simples.

Foto: Érica Catarina Pontes
Eu fiquei no número 578, então imagine quantas pessoas cabem dormindo em rede… Mais de 600 !!! Ainda bem que quando fui a lotação não estava completa.
Adeus Porto Flutuante !!!
Adeus Porto Flutuante !!!

Tempo de viagem: O tempo de viagem é de acordo com a embarcação e o tanto de carga que vai descarregar em cada parada (sim o barco também transporta carga…rs)… até Santarém paramos em mais 3 cidades, Parintins, Óbidos e Jurutis e o tempo de viagem foi de 30 horas. Durante estas paradas o fluxo de gente saindo e entrando é grande e é bom tomar cuidado com suas bagagens, aliás é bom ficar de olho sempre.

Foto: Érica Catarina Pontes
Encontro das águas do Rio Amazonas com Rio Negro
Foto: Érica Catarina Pontes
Encontro das águas do Rio Amazonas com Rio Negro
Foto: Érica Catarina Pontes
Parada em Juruti. O povo carrega de tudo no barco… colchão, cama, privada, comida… tudo mesmo ! ahahahaha
Foto: Érica Catarina Pontes
Parada em Óbidos…

O ritmo na Amazônia é outro, não tem como ter pressa, o barco segue a uma velocidade lenta e a paisagem é a mesma durante grande parte do percurso, quem sofre de ansiedade tem que trabalhar isto antes de embarcar, entrou no Rio Amazonas, Adeus !!! rs. Minhas companhias foram os vizinhos de rede pra jogar conversa fora, meu livro, meu diário de viagem, o sono (dormia que era uma beleza) e o mp3 que claro, acabou a bateria no meio da viagem… ahahaha

Foto: Érica Catarina Pontes

Dormindo na rede: Eu não tive problemas em dormir na rede. Apenas de madrugada que teve uma rajada de vento muito forte e acabou acordando todos, já que no nosso andar não tinha vidro ao redor e sim toldos que começaram a bater conforme o vento soprava e pra ficar mais emocionante uma rede batia na outra e todos os objetos leves voavam sobre o convés… rsrs…A única coisa a fazer era sair da rede e sentar em cima da mala até a tempestade de vento passar, mas tirando esta parte, dormir foi tranquilo.

Foto: Érica Catarina Pontes
Uma família inteira na rede… rs
Foto: Érica Catarina Pontes
Não tem hora pra dormir não… rs

Alimentação: No barco eles oferecem 3 refeições diárias que são anunciadas pelo alto falante. Os preços eram Café da Manhã R$ 5,00, Almoço R$ 15,00 e Janta que tem refeição R$ 13,00 e Sopa R$ 8,00… Eu particularmente acho bem arriscado comer a “gororoba” oferecida…rs… Mas pra quem tá acostumado, vai que vai! Levei algumas coisas e das refeições oferecidas no barco encarei o café da manhã (café com leite, pão com manteiga e mortadela, tapioca, bolo de milho e angu) e uma sopa no jantar que estava ok. Ninguém vai morrer se passar algumas horas sem refeição então leve coisas que não estragam do tipo bolachas, salgadinho e algumas frutas… coisas para beber também, eu não tive tempo de comprar e achei os preços bem caros no “boteco” do barco… rs

Outros detalhes: O barco tem banheiro para as necessidades que é o mesmo que se toma banho… ahahaha… ou seja, melhor tomar banho quando chegar no destino, não sei como estava de tripulação, mas devia ter pouca gente trabalhando, os banheiros eram bem fedidos e os lixos chegavam a transbordar, é muita gente viajando por muitas horas então realmente manter limpo só com bastante gente trabalhando, que não era o caso. 

Foto: Érica Catarina Pontes
Santarém no horizonte… Uffa!
Foto: Érica Catarina Pontes
Mais um Encontro das Águas, agora do Rio Amazonas com o Rio Tapajós

Eu queria fazer esta viagem no barco regional e achei incrível, pude conviver com pessoas que moram na Amazônia e ver o quanto a vida é diferente da nossa aqui no Sudeste, fora que lidar com o “tempo” também é uma arte a se aprender, principalmente para quem mora em cidade grande e tem um ritmo mais acelerado, porém se você não tem paciência de esperar o tempo necessário para chegar, gosta de conforto e tem muitas restrições, meu conselho é… Não vá! rs Não adianta querer ser aventureiro sem ter espírito pra isto e depois que começou a navegar pelo gigante rio Amazonas fica difícil de voltar, então, compre antecipadamente (a velha história do “em cima da hora é caro”…rs) o trecho de avião Manaus x Santarém, que vc chega em pouco mais de uma hora. 😉

As Paraenses Queridas que tomaram conta das minhas coisas, fizeram companhia na hora da tempestade de vento, me deram carona em Santarém, acho que mais um pouco junto e me adotavam... ahahahaha
As Paraenses Queridas que tomaram conta das minhas coisas, fizeram companhia na hora da tempestade de vento, me deram carona em Santarém, acho que mais um pouco junto e me adotavam… ahahahaha

Próximo Post  – Parte 3 – Santarém/Alter do Chão (Pará) – Clique AQUI

Quem Sou: Érica Catarina Pontes – Fotógrafa
Onde fiz estas fotos: Barco de Manaus (Amazonas) a Santarém (Pará)
Onde estou: Guarulhos – SP
Meu trabalho: www.ericatarina.com.br

Anúncios

2 comentários em “{Amazônia} Parte 2 – Barco de Manaus (Amazonas) para Santarém (Pará)

  1. Adorei o post. Estou indo pra lá em novembro, e estou pesquisando sobre os barcos.
    Agora me animei mais ainda!!!
    É preciso comprar antes a passagem? Onde é possível comprar?
    Bjs
    Greice

Os comentários estão encerrados.